21 maio, 2015



Esqueceu do amor; toda a sua ocupação era um punhado de ciúme: criava histórias que se fechavam apenas na equação imaginária.
Virou proprietária (com sócias) de alguém que não admitia tutelas. E achava que estava administrando um condomínio quando era apenas a inquilina de um coração cansado.
Esqueceu do amor, desatou a invadir escolhas, a tentar habitar na individualidade alheia e a controlar o sentimento e pensamento do Outro.
Esqueceu do amor e ficou cada vez mais próxima... do abandono e da loucura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário