16 junho, 2011


Havia algo que tinha um cheiro inconfundível de alegria. 
De vida abraçada. De chuva quando beija a aridez.
De lua quando é cheia e o céu diz estrelas.
Um cheiro da paz risonha do encontro que é bom.

Nenhum comentário:

Postar um comentário